Nessa primeira coluna resolvi falar sobre o Antidiary. Pretendo fazer ela semanalmente e prometo não falar só sobre Rihanna. Vou falar aqui sobre o lindo JT, Katy Perry e Rihanna. O nome é Microfone Pop como o site, pois não tenho criatividade. E, não vou demorar muito apresentando a coluna, por que abaixo vem textão.

Rihanna já tinha avisado que pretendia fazer algo diferente do tradicional para o lançamento de seu oitavo álbum de estúdio, o Anti e que não ia deixar passar em branco seus dez anos de carreira. E foi isso que ela fez. Antidiary conta a jornada de Rihanna e as mudanças que aconteceu em cada álbum até o R8 (Anti). Talvez uns digam que é cedo para afirmar isso com apenas 3 cômodos abertos (o quarto, o estúdio e o Closet ), mas pelo que foi apresentado até agora e pela divisão feita dos cômodos de acordo com cada álbum eu afirmo:

#ANTYdiaRy não é apenas um site para a divulgação do álbum, mas a celebração dos 10 anos de carreira, sua história e as mudanças ocorridas nesses 10 anos de carreira até o tão esperado ANTI.

Os vídeos são incríveis, cheios de mistérios com um linda fotografia que mostra diversas pistas que é discutida incansavelmente pelos fãs nas redes sociais atrás de qualquer sinal sobre o lançamento de Anti, que acaba gerando mídia espontânea. Pois, os sites comentam sobre o projeto seja para elogiar ou até criticar, aumentando mais ainda a expectativa entorno do lançamento do álbum que não tem data de lançamento.

Mas, apesar da inovação tudo isso se torna confuso. Várias pistas são passadas e mesmo assim os fãs (eu também) não entendem o que é preciso fazer para um novo cômodo ser aberto, parece não ter logica entre as pistas e a abertura dos cômodos. Além de não se saber quando abrirá o próximo cômodo causando mais frustração nos fãs que esperam pelo álbum há três anos. Antidiary parece ser um jogo que ninguém entende, o twitter do @IAmTheKeyHolder posta fotos enigmáticas e chaves que eram para ser esclarecedoras, mas na maioria das vezes são confusas e sem sentido. E, ficamos em dúvida para que serve esse twitter que parece complicar mais ainda tudo.

A Anti Word Tour já tem data de estreia, hoje abriu a pre-venda do Tidal ( em 10 minutos esgotou em vários locais) e  a venda geral dos ingressos foram abertas dia 3/12, mas quando é perguntada sobre o álbum já tem uma resposta na ponta da língua “soon”. Nesse momento imagino a Rihanna rindo da nossa cara enquanto aguardamos qualquer pronunciamento sobre o lançamento do álbum.

 

Tudo isso acaba deixando o público mais confuso ainda. Pela lógica acredita-se que quando o último cômodo for aberto (Quarto ANTI) o álbum será lançado e com o inicio da tour se aproximando a expectativa aumenta, mas os cômodos demoram abrir e o ano já está quase acabando sem uma confirmação do lançamento. Assim, alguns pessoas acabam criticando  o ANTIdiaRy não pelo projeto em si, mas pela divulgação toda. Já faz 10 meses desde que o 1º single foi lançado e até agora não tem uma data de lançamento. Diante desse panorama um projeto tão grande e lindo não tem o foco que deveria.

Inclusive o site britânico “Daily Star” criticou o ANTIdiaRy afirmando que é um desastre total e uma bagunça e ainda aconselhou Rihanna fazer o mesmo que Beyoncé lançar o álbum sem divulgação, sem nada, apenas lançar. E é esse o grande problema o foco acaba tornado-se a data de lançamento do ANTI e não a experiência do ANTIdiaRy.

Apesar da frustração e enrolação não podemos deixar de lado o interessante e inovador Antidiary.  Para quem ainda não entrou o site, ele só pode ser acessado pelo celular com visão de 360º, então ao mover o celular você percorrer todos os cantos do cômodo para descobrir as pistas.

Não vou comentar muito sobre os cômodos abertos, pois o legal é entrar na experiência do Antidiary, descobrir e ter suas próprias impressões. Segue abaixo uma decrição e vídeos dos cômodos abertos, mas tem muito mais coisas para ser vista no site. Então, acompanhe e experiencie desse inovador e confuso site, acesse: antidiary.com  

  • Três cômodos foram abertos, R1 (o quarto), R2 (o estúdio) e R3 (Closet)

1. No R1 vimos a inocência e os sonhos – o começo de tudo.

2.  Já o R2 mostrou a descoberta do poder da voz e tem um trecho da música “Only If For A Night”.

3. No R3, a menina boa vira má (good girl gone bad).

Ainda falta mais 5 cômodos e agora nós resta aguardar e companhar as pistas, vídeos e a história da Rihanna.

CUeAtikWUAEjWirCUd8hpSWcAAtNHMCUcSxRXXAAAPACRCUdz30tXIAEV4XR12311103_1087218447964714_2797566163407381930_nCUcaX2wW4AEj4T3CUcaX2wWwAA8RoQCUd8hsNW4AANiop

Depois desse texto imenso (agradeço quem leu até o fim ) termino com uma pergunta. Será que se não estivéssemos 3 anos sem álbum da Rihanna e sem saber quando será lançado o Anti, estaríamos mais entusiasmados com o ANTIdiaRy?

Deixe seu comentário

Este artigo não possui comentários